09/02/2017

Exposição "D’aprés Abel Salazar" no IJUP 2017

A exposição D’aprés Abel Salazar, produzida por estudantes da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) marcou o arranque da 10ª edição do IJUP – Encontro de Investigação Jovem da Universidade do Porto. 

Entre os dias 8 e 10 de fevereiro, o IJUP 2017 apresenta a exposição D’après Abel Salazar, um estudo sobre as técnicas de gravura utilizadas por Abel Salazar, num projeto desenvolvido por estudantes do mestrado em Desenho e Técnicas de Impressão, na FBAUP, sob coordenação da professora Graciela Machado, numa parceria com a Casa-Museu Abel Salazar e a sua coordenadora, Luísa Garcia Fernandes.

Iniciado em setembro de 2016, o projeto D’après Abel Salazar: processo, materialidade, metamorfose pretende redescobrir as técnicas de gravura usadas por Abel Salazar. São águas-fortes, pontas secas e monotipias consideradas de grande qualidade mas de particular execução pois é notório que Abel Salazar não usava a técnica de gravura como meio de reprodução técnica, tal como era usual no seu tempo, mas como forma de experimentação gráfica, e é a partir deste pressuposto que se pretende refletir sobre várias questões: de que modo os processos de desenho e gravura possuem uma natureza experimental e de que forma estão relacionados; como se caracterizam os seus modelos de trabalho; como se relacionam desenhos e gravuras com as restantes áreas de atuação de Abel Salazar e como podem estas pistas servir uma prática artística contemporânea e como pode esta apoiar o entendimento da obra de Abel Salazar. 

O IJUP 2017, a decorrer no Centro de Investigação Médica da Faculdade de Medicina do Porto, conta com a participação de mais de 1300 estudantes de licenciatura, mestrado integrado e mestrado. São 230 apresentações orais e 170 apresentações em poster que darão a conhecer os novos talentos da ciência da Universidade do Porto.



23/01/2017

"Andar nas Nuvens", exposição de Manuel Valente Alves e Carla Cabanas | inauguração 28 jan. 17h
















































Andar nas Nuvens – duas propostas para um diálogo entre a terra e os céus será a próxima exposição na Casa-Museu Abel Salazar, que inaugura no próximo dia 28 de Janeiro, pelas 17h00.

Sendo uma expressão popular que significa andar fora da realidade, “andar nas nuvens”, também pode designar uma atitude de suspensão do tempo, de paragem especulativa, de contemplação.

A exposição, com curadoria de Margarida Medeiros, apresenta as propostas artísticas de Manuel Valente Alves e Carla Cabanas que; partindo da contemplação de dois quadros do pintor holandês Jan van Goyen, Paisagem com mau tempo e Paisagem com bom tempo, ambas de 1625 e patentes na Casa-Museu Fundação Medeiros e Almeida, e das pinturas de paisagem de Abel Salazar, como Sol de Trovoada - Cais da Alfândega ou Poente na Serra (Gondar - Minho), onde as nuvens com o seu significado meteorológico e semiótico são explicitamente referidas; fazem uma reflexão visual sobre a sociedade atual que nos remete incessantemente para as possibilidades de controlo tecnológico do mundo e da natureza, e para a nuvem como alegoria de um arquivo tocado pelo eterno.

Da pintura flamenga às paisagens de Abel Salazar e à meditação contemporânea sobre o céu e a terra na sua substância iconográfica, poder-se-á traçar um percurso no qual a visualização do mundo (o céu, a terra, as nuvens), se constitui como mediador fundamental da compreensão do ser humano sobre si mesmo.

É esse potencial poético inscrito na ecologia humana que é convocado pelas obras presentes nesta exposição, que ficará patente ao público até 20 de maio.

Carla Cabanas, Jogo de Nuvens, 2016
fotografia em colódio húmido sobre vidro montada em caixa de luz
dimensões variáveis

Manuel Valente Alves, Ao longe o céu, 2016
fotografia impressa a jacto de tinta sobre papel
e colada em compósito de alumínio, 120 x 160 cm

03/01/2017

exposição | Resistir à Narrativa, de João Leal | até 7 de janeiro

Where I Am, 5'37'', Ultra HD 3840x2160, sem som, loop
Quixote #11, 60x60cm, impressão a jato de tinta sobre papel Hahnemühle Fine Art Pearl, montagem em dibond, cabos de dimensão variável

Referential Reperage - Barney's #2, 2'02'', video full HD 1920x1080, som stéreo, loop

22/11/2016

exposição | Resistir à Narrativa, de João Leal

Resisting Narrative / Resistir à Narrativa é o título da exposição de João Leal, que irá inaugurar no dia 26 de novembro, pelas 17h00, na Casa-Museu Abel Salazar.

Esta exposição é o culminar de uma investigação “practice based” desenvolvida pelo autor no European Centre for Photographic Research da University of South Wales. O trabalho foi supervisionado pelo Professor Doutor Mark Durden com o apoio da Professora Doutora Helen Sear (numa primeira fase) e pela Professora Lisa Barnard (na fase final).

Aqui materializa-se, em vídeo e fotografia, o principal objetivo da investigação de João Leal: desenvolvimento de um corpo de trabalho que potencie uma reflexão sobre a importância da narrativa pessoal de um “artista” e a forma como ela ajuda a contextualizar a sua prática e processos de trabalho. O conjunto de obras pretende também estabelecer relações entre a “prática artística”, idealmente avessa a regulações e propensa à “não-narrativa”, e o processo de investigação académica, altamente regulado e com uma construção similar ao de uma bem estruturada narrativa tradicional.

Resisting Narrative / Resistir à Narrativa ficará patente ao público até 7 de janeiro de 2017.



04/10/2016

As outras figuras de Assunção Melo

Mergulho (série), óleo s/tela, 66 x 66 cm
Outras figuras é o título da exposição que irá inaugurar no próximo dia 8 de outubro, pelas 17h00, na Casa-Museu Abel Salazar (CMAS), e onde se dará a conhecer uma seleção dos trabalhos mais recentes da artista plástica Assunção Melo.

Formada em pintura pela ESBAP, atual Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, em 1992, Assunção Melo dedicou-se sobretudo à ilustração nas duas décadas que se seguiram ao seu percurso académico. Nesta área trabalhou com diversos autores e editoras, ilustrou obras de Sophia de Mello Breyner, Luísa Ducla Soares, João Pedro Mésseder, entre muitos outros.

A partir de 2009 dedica-se mais intensamente à pintura, onde tem vindo a construir uma obra muito pessoal, onde a figura humana, particularmente o retrato, serve de ponto de partida para refletir sobre as relações de atração e repulsa entre o individual e o coletivo, a presença e a ausência, e os limites entre a auto representação e o Outro.

A exposição ficará patente ao público até dia 19 de novembro e a entrada é livre.

31/08/2016

A CMAS na Feira do Livro do Porto 2016



A Feira do Livro do Porto 2016 irá decorrer entre os dias 2 e 18 de setembro, nos Jardins do Palácio de Cristal e a Universidade do Porto irá estar presente uma vez mais com as suas publicações onde se incluem as das Casa-Museu Abel Salazar.

The European Crisis e La Crise de l'Europe de Abel Salazar e os catálogos Abel Salazar - O Desenhador Compulsivo, Detalhes e Domingos Pinho - Caminhos de um Percurso são os títulos que teremos disponíveis este ano, com desconto, no stand da U.Porto.

Organizada pela Porto Lazer E.M., esta Feira do Livro tem como objetivos difundir o livro e a leitura, fomentar hábitos culturais, estabelecer contactos entre o público e os autores e promover uma grande festa do livro e da leitura que terá no livro o seu protagonista.

14/06/2016

Os “Drawings across the sea" de Tom Stanley na CMAS


Drawings across the sea é o título da exposição de desenhos de Tom Stanley, que irá inaugurar na próxima sexta-feira, dia 17, pelas 21h30 na Casa-Museu Abel Salazar.

Tom Stanley é um artista norte-americano e diretor do Departamento de Belas-Artes da Universidade de Winthrop, na Carolina do Sul. Foi também diretor das galerias universitárias de Winthrop entre 1990 e 2010 e curador de diversos projetos de arte com ênfase na responsabilidade social, que interligam as comunidades locais, artistas autodidatas e arte denominada erudita.

Como autor começa a explorar as artes visuais nos anos 60, com pinturas onde integrou símbolos musicais. O seu trabalho advém da exploração da memória pessoal, do seu interesse por arte folk contemporânea, por arte bruta e por desenhos de peças mecânicas. Integra a improvisação, a resposta automática, a colagem e a assemblagem visual nas suas pinturas e desenhos, onde recorrentemente se vislumbram formas de pendor gestual que interagem com formas geométricas.

Participou em diversas exposições individuais e coletivas e desenvolveu diversos projetos de arte pública para várias instituições norte-americanas, onde se encontra representado.

Esta exposição é parte integrante de uma parceria entre a Universidade do Porto e a Universidade de Winthrop, que prevê também o estudo da correspondência que Abel Salazar manteve com diversas universidades e institutos de ciência norte-americanos.

Drawings across the sea estará patente até 17 de setembro.

A entrada é livre.

06/06/2016

“Detalhes” poéticos na Casa-Museu Abel Salazar | 11 jun. 17h30

Como forma de assinalar o encerramento da exposição “Detalhes”, a Casa-Museu Abel Salazar promove, no próximo dia 11 de junho, pelas 17h30, uma sessão poética inspirada no universo desta exposição, onde seis artistas contemporâneos  apresentam trabalhos relacionados direta ou indiretamente com a vida e obra de Abel Salazar.


O que aconteceria se o bispo de beja viesse ao porto e dissesse que era napoleão é o título desta finissage cuja organização promete ser uma viagem “do neo-realismo ao surrealismo, com paragem obrigatória nas Devesas”, com a participação de Adriana Faria, Carlos França (curador da exposição), Cristiana Sabino, João Gesta e Manuela Gomes.

Até ao encerramento, agendado para 11 de junho, a exposição pode ser visitada de segunda a sexta-feira, entre as 9h30 e as 12h30 e entre as 14h30 e as 17h00, e ao sábado, das 14h30 às 17h00.

31/05/2016

Leilão | 4 de junho, 16h00 | Salão Nobre da Reitoria da U.Porto

A Casa-Museu Abel Salazar organizou um leilão que se realizará no próximo dia 4 de junho (sábado) no Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Porto, pelas 16h00. A exposição inaugura no dia 3 de Junho, para que todos possam conhecer as obras a leilão.

Contamos com todos os associados e amigos da CMAS.